Automóvel

#Diasdevolante: Guia para o cuidados com os pneus do carro

Dizem que ter um carro é como ter um filho. E eu concordo com esta frase.  Ao comprar, a gente acha que o único gasto que terá vai ser com a gasolina. Engano, meus queridos! Você precisa gastar com seguro; manutenção; limpeza, entre outras cositas =(

E quando você fala em manutenção de automóvel, muitos motoristas esquecem dos pneus, um grande risco, afinal pneus em más condições podem ocasionar acidentes. O item, muitas vezes,  só é lembrando quando apresenta defeitos, fura no meio da rua (o que é uma droga) ou quando o estepe é furtado (sim minha gente! Esse tipo de roubo é muito comum).

Como a grana anda curta para todo mundo, a melhor alternativa para ampliar a durabilidade dos pneus  – e evitar gastos desnecessários – é a manutenção periódica. E para ajudar nesta missão, os especialistas da KD Pneus têm algumas dicas. Vejam:

shutterstock_1137545201

 

Quando trocar os pneus?

A troca deve ser feita periodicamente, com atenção para o estado do pneu e a quilometragem percorrida. Os pneus têm durabilidade média de 25 mil até 72 mil quilômetros, de acordo com cada fabricante. Por isso, é preciso estar sempre atento ao estado dos pneus, evitando que eles cheguem a ficar carecas ou que apresentem algum defeito ou furo para finalmente efetuar a troca.

O próprio estepe possui um prazo de validade e precisa ser trocado regularmente, para que esteja sempre no melhor estado no caso de uma emergência.

A maneira de ficar sempre de olho é conferir o indicador TWI na parte externa do seu pneu. Ele pode ser representado tanto pelas letras quanto por um triângulo. Seguindo na direção indicada, você verifica se o ponto, em um dos sulcos, está batendo no chão. Caso isso ocorra, está na hora de trocar.


Preciso comprar  pneus novos. E agora?

Na hora de comprar, busque empresas que ofereçam consultores que auxilie na compra do produto correto para o seu carro. “A compra do pneu certo garante mais segurança e durabilidade, o que representa economia para o bolso do consumidor”, explica Mariana Bertolini, gerente de atendimento da KD Pneus.

Quando preciso trocar uma peça ou comprar algo para o meu carro, busco sempre mais de uma opinião. Motivo: já fui muito enganada durante a revisão anual na concessionária. Uma inclusive, custou o meu painel.

Desde então prefiro fazer a revisão em um mecânico da minha confiança. Além da opinião do mecânico, busco informações na internet e também dos vendedores das lojas em que faço cotação.


Manutenção

Os cuidados com os pneus podem ser facilmente incluídos na rotina de qualquer pessoa. Eles não são nada complicados e, em muitos casos, estão relacionados também com outras partes do veículo.

É o caso dos amortecedores, molas, freios, rolamentos, eixos e as próprias rodas, que atuam em conjunto com os pneus. Todos eles precisam ser checados de tempos em tempos para garantir que não haja nenhum prejuízo aos novos pneus.

O desbalanceamento é também um dos maiores problemas e causa um grande desconforto na hora de dirigir. Resolver essa questão traz mais segurança e estabilidade ao dirigir, além de diminuir os desgastes do pneu.

A gerente Mariana Bertolini aconselha que o balanceamento seja feito assim que você sentir qualquer vibração, assim como na hora de trocar ou consertar o pneu. É aconselhável também que isso seja feito a cada 10 mil km rodados.

Calibrar também ajuda muito, sem esquecer de fazer o rodízio entre as rodas para compensar a diferença de desgaste. Assim, os pneus ganham em durabilidade e resistência. Os diagonais devem ser alternados a cada 5 mil km e os radiais a cada 8 mil km, evitando, sempre que possível, a sobrecarga no veículo.


A troca

Para trocar, não é preciso ter anos de prática ou conhecer nenhum segredo. Antes de trocar um pneu, procure um lugar plano, calmo e estável. Mesmo que o pneu esteja furado, vale a pena percorrer uma curta distância para encontrar um lugar em que a tarefa será efetuada com mais facilidade. Não se esqueça de utilizar o triângulo durante a troca.

Com o freio de mão puxado e a primeira marcha engatada, separe todos os equipamentos necessários, como o estepe, macaco e chave de roda. Para posicionar o macaco, vale conferir o manual do proprietário. Há uma parte metálica, que é mais resistente que a parte plástica, onde se dá o encaixe para erguer o carro.

As porcas são afrouxadas girando no sentido anti-horário. Vale a pena utilizar o peso do corpo. Ao elevar o carro, tire as porcas por completo, e então substitua pelo estepe. Encaixe o parafuso e comece a apertá-los um a um, fazendo um padrão de estrela. Basta apertar o suficiente para segurar o pneu, então abaixe um pouco o carro e aperte o máximo que você conseguir. Depois disso, abaixe até o pneu tocar o chão e aperte com mais força. Desça o carro completamente, retire o macaco e guarde o pneu furado no lugar do estepe.

Confesso que nas duas vezes em que precisei trocar um pneu contei com a ajuda de outros motoristas (graças a Deus). E vocês o que acharam das dicas?

Beijos

Pin It

Speak Your Mind

*