Variados

Mattel lança coleção de Barbie Mulheres Inspiradoras 

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, comemorado no dia 08 de março, a Mattel anunciou o lançamento de uma linha de bonecas inspiradas em mulheres que quebraram barreiras ao redor do mundo – enfrentando as regras e preconceitos da sociedade da sua época – e se tornaram fonte de inspiração.

A coleção Barbie Mulheres Inspiradoras contará com 14 bonecas representando escritoras, artistas, atletas, musicistas, entre outras, de todo o mundo.  E as figuras histórias escolhidas para o lançamento da linha são: a artista plástica Frida Kalho; a aviadora Amelia Earhart e a cientistas Katherine Johnson.

Dias Estilosos_Barbie Mulheres Inspiradoras_Frida_Divulgação 1

No Brasil, teremos apenas a boneca Frida Khalo – que, por sinal, ficou linda! -, com preço sugerido de R$ 249,99, valor este que eu considerei um pouco salgado, mesmo sabendo que essas bonecas são de uma coleção especial.

Agora seja sincero: você sabe por que essas mulheres estão sendo homenageadas? Já ouviu falar dos seus feitos?  Eu, por exemplo, não conhecia a história da aviadora Amelia Earhart.  Então, nada mais justo, ainda mais na véspera do Dia Internacional da Mulher, conhecer os feitos destas figuras fortes que nos inspiram com sua força de vontade e coragem para superar cada desafio até conquistar o seu objetivo.

Frida Khalo (1907 a 1954)

Dias Estilosos_Barbie Mulheres Inspiradoras_Frida_DivulgaçãoMagdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón, mais conhecida como Frida Khalo, nasceu em 6 de julho de 1907, em Coyoacán, no México.  Aos seis anos, Frida contraiu poliomielite que deixou uma lesão no seu pé direito, pelo que ganhou o apelido de Frida pata de palo (ou seja, Frida perna de pau). Passou a usar calças, depois longas e exóticas saias, que se tornaram uma de suas marcas pessoais. O talento para pintura surgiu na adolescência.

Em 1925, aos 18 anos, sofreu um grave acidente, quando o bonde, no qual viajava, chocou-se com um trem. O para-choque de um dos veículos perfurou suas costas, causando uma fratura pélvica e hemorragia. Frida ficou muitos meses entre a vida e a morte no hospital, teve que operar diversas partes e reconstruir por inteiro seu corpo, que estava todo perfurado. Durante este período no hospital, começou a pintar, usando a caixa de tintas de seu pai e um cavalete adaptado à cama.

Em 1928, entrou no Partido Comunista Mexicano e conheceu o muralista Diego Rivera, com quem se casa no ano seguinte. Sob a influência da obra do marido, adotou o emprego de zonas de cor amplas e simples, num estilo propositadamente reconhecido como ingênuo. Procurou na sua arte afirmar a identidade nacional mexicana, por isso adotava com muita frequência temas do folclore e da arte popular do México.

O casamento com Rivera foi tumultuado, repleto de casos extraconjugais. Kahlo era bissexual e o marido sabia dos relacionamentos de Frida com outras mulheres. O casamento termina quando ela descobre que Rivera mantinha um relacionamento com sua irmã mais nova, Cristina. Após a separação, a pintora teve um caso com Leon Trotski. Mas em 1940, reata o casamento com Diego Rivera. E como não podia ser diferente, a relação continuou tumultuada. Ao voltar para o marido, Frida construiu uma casa igual à dele, ao lado da casa em que eles tinham vivido. Essa casa era ligada à outra por uma ponte, e eles viviam como marido e mulher, mas sem morar juntos. Encontravam-se na casa dela ou na dele, nas madrugadas.

Em 13 de julho de 1954, Frida Kahlo, que havia contraído uma forte pneumonia, foi encontrada morta. O atestado de óbito registra embolia pulmonar como a causa da morte. Outra possibilidade é que Frida tenha sofrido uma overdose por consumo um número excessivo de remédios. Em sua última anotação, a artista diz: “Espero que minha partida seja feliz, e espero nunca mais regressar”.

Sua antiga casa abriga o Museu Frida Kahlo.

Amelia Earhart (1897 a 1937)

Dias Estilosos_Barbie Mulheres Inspiradoras_Amelia Earhart_DivulgaçãoA norte-americana Amelia Mary Earhart foi a primeira mulher a pilotar uma avião nos Estados Unidos. Defensora do direito das mulheres, Earhart foi a primeira mulher a receber a “The Distinguished Flying Cross”, por ser a primeira mulher a realizar um voo solo pelo oceano Atlântico. Além disso, a aviadora escreveu diversos livros sobre suas experiências, que foi essencial na formação de organizações para mulheres que desejavam pilotar.

Amelia desapareceu no oceano Pacífico, perto da Ilha Howland enquanto tentava realizar um voo ao redor do globo em 1937. Foi declarada morta no dia 5 de janeiro de 1939.

Katherine Johnson (1918)

Dias Estilosos_Barbie Mulheres Inspiradoras_Katherine Johnson_DivulgaçãoKatherine Coleman Goble Johnson é uma cientista espacial americana. Ao longo de sua carreira deu contribuições fundamentais para a aeronáutica e exploração espacial dos Estados Unidos, em especial em aplicações da computação na NASA.

Negra, Katherine foi vitima de preconceito dentro da NASA. Ela e as outras mulheres negras da divisão de computação eram conhecidas como “computadores de cor” e foram vítimas de segregação no trabalhando, comendo e usando banheiros separados de seus colegas brancos até que essa divisão segregada fosse terminada em 1958.

Conhecido pela precisão na navegação astronômica informatizada, seu trabalho de liderança técnica na NASA se estendeu por décadas onde ela calculava as trajetórias, janelas de lançamento e caminhos de retorno de emergência para muitos voos de Projeto Mercury, incluindo as primeiras missões da NASA de John Glenn, Alan Shepard, o voo da Apollo 11, em 1969, à Lua e trabalho contínuo por meio do programa dos ônibus espaciais e sobre os planos iniciais para a missão a Marte.

Apesar do preço salgado das bonecas, parabéns Mattel pela iniciativa. Décadas e décadas se passaram, mas até hoje nós, mulheres, temos a nossa capacidade intelectual colocada em dúvida pelo simples fato de sermos quem somos: MULHERES. É uma coisa tão absurda, que custa parecer real.  Tivemos muitos avanços nessa luta, é verdade. Mas, infelizmente, temos um longo caminho a percorrer.

Enquanto homens e mulheres (o que me deixa mais chocada) alimentarem atos e falas machistas, do tipo: ‘Também, saiu com essa roupa curta pediu para ser estuprada’; ‘Ele homem, tem vontades’; ‘Arruma o quarto do seu irmão, ele não sabe’; entre tantos outros comentários boçais, precisamos de uma data como estas para analisar de que forma estamos contribuindo para que esse tipo de comportamento seja eliminado. Eu quero igualdade de gênero, mas poupo o meu companheiro/filho de tarefas domésticas e me sobrecarrego com isso?  Será que com esse tipo de comportamento você não endossa as diferenças de gênero que deseja tanto combater?  É uma coisa a se pensar, não é mesmo?

Deixo aqui o meu beijo para todas as mulheres maravilhosas deste mundão de meu Deus. Que nunca falte força, coragem e dedicação para alcançar cada um dos seus objetivos.

Beijos

Pin It

Speak Your Mind

*